UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Zuenir Ventura na UVA

Zuenir Ventura na UVA

19 de março de 2018

O imortal da ABL falou sobre os 50 anos do AI-5

O jornalista e escritor Zuenir Ventura esteve na Universidade Veiga de Almeida (UVA), na última quarta-feira, para ministrar a aula magna “50 anos de 1968: Estamos a caminho de um novo recrudescimento político?”. Com o auditório do campus Tijuca cheio, Zuenir fez um paralelo entre a obra que ele escreveu “1968 - O ano que não terminou” com o atual cenário político brasileiro. A abertura do evento ficou por conta do reitor da UVA e presidente da Ilumno Brasil, Arlindo Cardarett Vianna, e oficializou o início do primeiro semestre acadêmico da instituição de ensino.

“Naquela época nós tínhamos a certeza que um dia a ditadura iria acabar enquanto hoje não sabemos o que está por vir. Em 1968 o inimigo era muito claro para todos nós e atualmente o bem e o mal andam juntos e não podemos separar um do outro”, destacou o jornalista. No seu discurso, 1968 é mais que um ano, é um personagem importante da história brasileira. Cinquenta anos depois, ele afirma que o legado continua vivo e forte, pois os movimentos feministas, LGBT, negros e ecológicos, presentes já naquela época, estão mais atuantes do que nunca na sociedade moderna.

Para Ventura, é difícil apontar para um futuro certo no Brasil. “Hoje nós temos um acesso muito maior à informação. Podemos colher dados nos meios de comunicação online, impresso e audiovisual. A grande questão é: excesso de informação é ruído. Muitas vezes saímos de uma informação sem saber e entender o que está acontecendo e muito menos o que virá nos próximos capítulos”. O escritor ainda relembrou que em 1968 o país passava por uma crise enquanto agora há um acúmulo de crises: política, econômica, ética e muitas outras.

O jornalista ainda comentou da sua prisão, ainda em 1968, tempos depois da implementação do AI-5. “Estava dando aula quando fui levado para ‘restar esclarecimentos’ e nessa fiquei três meses preso. Não fui torturado, apenas ameaçado e interrogado. Não liderava movimento algum, era só jornalista e professor universitário”.


Texto produzido por Gabriel Brum, estagiário da Comunicação Institucional

fotos da galeria