UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > A quarta revolução

A quarta revolução

11 de dezembro de 2017

Universidade Veiga de Almeida promove competição de robôs entre os alunos

A tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano da sociedade. A robótica é um dos exemplos desse desenvolvimento, uma área que engloba mecânica, eletrônica e computação. Acompanhando esse movimento, a Universidade Veiga de Almeida (UVA) promoveu na última quinta-feira (7), no campus Barra, uma competição de robôs, com o intuito de estimular a participação dos alunos envolvidos no Projeto Robótica, coordenado pelo professor Antônio Carlindo.

Os chamados robôs de linha consistem em projetos criados por alunos, cuja função é, a partir da leitura de sensores, detectar uma trilha e segui-la.  É um torneio de habilidades, em que a máquina é guiada até a arena principal, na qual são realizadas as lutas de sumô, que tem como objetivo empurrar o adversário no mínimo duas vezes para fora do dohiõ, um ringue em forma de círculo. As equipes foram compostas por Gabryel Gouveia e Daiane de Souza; Thiago da Cunha e Ian Costa; Marcos Vinicius Rezende e Igor Ribeiro; Bruno Cobucci e Igor Freitas. Cada equipe escolheu um nome para seu robô: Bruxa, Darth Vader, Humanoide e Ciborgue, respectivamente.

O ouro ficou com o aluno Gabryel Gouveia, do 2º período de Engenharia de Produção, com o robô “Bruxa”, ao ganhar todas as partidas da competição. Cada máquina tinha um diferencial, e, para o vencedor, as pequenas alterações fizeram toda a diferença. “Distribuí o peso das pilhas para o robô não tombar. Além da rampa na parte posterior, coloquei duas estacas de papelão na parte de cima para empurrar o adversário com mais força”, explica. O estudante destaca ainda a ideia de colocar um elástico nas rodas, para dar mais aderência na hora de fazer as curvas.

O evento chamou a atenção dos alunos de todos os cursos da Universidade. Comunicação e Design foram alguns dos que estavam presentes, e uma das alunas participanetes foi Tayane Fernandes, do 6º período de Jornalismo. “O que eu achei mais impressionante é que mostrou como qualquer um pode fazer um robô com um pouco de auxílio”, destaca. Um evento assim comprova um grande crescimento acadêmico e evidencia que a criação de robôs não é uma realidade tão distante. Caixas de papelão e algumas pilhas já são suficientes para poder inovar e surpreender.

E estimular a criatividade e a inovação pode ser fundamental para o estudante que está prestes a ingressar na vida profissional e no mercado de trabalho. Antônio Carlindo, que coordena o projeto no campus Barra, pretende levar a competição adiante e acrescentar melhorias nas próximas edições. ‘‘Vamos focar no processo no próximo e por isso será necessário de mais pessoas, recursos, ambientes e programações bem definidas”, avalia. Com o objetivo de criar uma cultura de experimentação, iniciativas como essa tornam possível a integração entre o mundo acadêmico e a ciência.


*Texto produzido por João Victor Barros, Juliana Marques, Leonardo Assis, Lucas Menezes e Rhuan Ramos, estudantes de Jornalismo do campus Barra