UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Os riscos do HPV

Os riscos do HPV

25 de agosto de 2017

Especialistas afirmam que a vacinação é a forma mais eficaz de prevenção do vírus

O vírus do papiloma humano (HPV) é uma doença silenciosa e assintomática, podendo ficar no organismo durante anos sem a manifestação de sintomas, o que dificulta a descoberta e pode gerar doenças graves, como câncer de colo e útero nas mulheres e de ânus e pênis nos homens. O único sintoma em evidência são as verrugas que aparecem nas genitais femininas e masculinas, mas elas podem aparecer semanas ou meses após o contato sexual com uma pessoa infectada.

O professor do curso de Enfermagem da Universidade Veiga de Almeida (UVA), Paulo Machado, ressalta que a forma mais eficaz de se prevenir contra o HPV é a vacinação, já que mesmo usando preservativos, ainda há chance de contágio. “Na maioria das vezes, é transmitido através da relação sexual, mas existem casos que podem ocorrer por meio das mãos contaminadas, objetos, toalhas e roupas. Desde que haja secreção com o vírus vivo em contato com a pele ou mucosa”, explica.

Em alguns casos, a alta imunidade do paciente consegue combater de maneira eficiente a infecção, alcançando a cura com eliminação completa, principalmente entre os mais jovens. Porém, algumas pessoas que tem o sistema imunológico baixo seguem com o vírus no organismo podendo causar lesões.

Há várias opções de tratamento. O médico pode recomendar a aplicação de um creme ou solução especial nas verrugas ou ainda remover algumas delas por congelamento, cauterização ou a laser. Se mesmo assim, as pessoas ainda não responderem a esses tratamentos, o médico pode utilizar a cirurgia para remover as verrugas. Lembrando que é muito importante não deixar de fazer exames periódicos e ter acompanhamento médico especializado no assunto, como ginecologista e o urologista.


Texto produzido por Larissa Lopes, do Laboratório de Comunicação Corporativa