UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Os dez países que mais sofrem com o terror

Os dez países que mais sofrem com o terror

04 de setembro de 2017

Oriente Médio e Sul da Ásia lideram a pesquisa do Global Terrorist Database

Entre os ataques registrados em 2016, 75% ocorreram em apenas dez países, de acordo com a Global Terrorist Database. Iraque, Afeganistão, Índia, Paquistão, Filipinas, Somália, Turquia, Nigéria, Iêmen e Síria são os ‘’campeões’’ do terrorismo, sendo que 71% das mortes ocorreram apenas no Afeganistão, Somália, Síria e Iraque. Esse último lidera a lista com uma média de 33 ataques por dia no período pesquisado. Um dos motivos é o fato de o país ser berço da maior organização terrorista atualmente, o Estado Islâmico (EI), que opera em diversas áreas da região.

Logo em seguida está o Afeganistão, onde se encontra o Talibã, grupo terrorista que governou o país entre 1996 e 2001, e ficou famoso pelo fato de ter se aliado a Al-Qaeda, de Osama bin Laden, após os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos. A Índia ocupa a terceira posição devido a série de atentados com bombas realizados por grupos maoístas, que são seguidores dos ensinamentos do antigo ditador chinês Mao Tsé-tung, que governou a China até 1976.

O Paquistão, que vem logo depois, sofre com mais de 45 grupos terroristas em seu território, de acordo com o ministro do Interior Chaudhry Nisar Ali Khan. As Filipinas também sofrem com a presença do EI. Já na Somália há a presença do grupo fundamentalista islâmico Al-Shabaab, que é filiado a Al-Qaeda. A Turquia se encontra no centro dos conflitos entre os jihadistas islâmicos e os separatistas curdos, levando-a a ocupar a sétima posição.

A Nigéria é o principal berço de uma das organizações terroristas que mais chocou o mundo: o Boko Haram. Esse grupo ficou famoso internacionalmente devido aos seus atos que envolviam o sequestro de meninas. Isso levou a criação de um movimento mundial, que foi até endossado pela então primeira dama americana, Michelle Obama, através da frase #BringBackOurGirls. O Iêmen e a Síria, que ocupam as últimas posições, estão no meio de uma guerra civil em que grupos extremistas e governos se encontram em constante conflito.

O mundo vive em grande apreensão com relação a onda de ataques terroristas que vem sendo realizados. O Ocidente é bastante destacado pela mídia sempre que há algum ataque deste tipo. Os atentados de 11 de setembro, o massacre ao jornal francês Charlie Hebdo, as explosões em Manchester durante o show da cantora Ariana Grande e recentemente os atentados em Barcelona são alguns dos eventos que ficaram conhecidos mundialmente. Entretanto nenhum país ocidental está na lista dos dez primeiros que sofrem com o terrorismo.

“Há uma diferença de foco que a gente dá para cada um desses países. Um atendado que acontece em Paris ou em Nova York, acaba tendo mais visibilidade, pois são lugares mais conhecidos e acabamos tendo uma identificação cultural maior com eles. Na Europa, por exemplo, há uma estrutura maior para se evitar esses ataques, logo, quando eles ocorrem é sempre um grande evento. Mas acabamos esquecendo que quem mais morre com ataques de radicais muçulmanos, são os próprios muçulmanos”, explica o professor de Relações internacionais da Universidade Veiga de Almeida (UVA), Tanguy Baghdadi.

*Texto produzido por Victor Nigri, do Laboratório de Comunicação Corporativa