UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Ferramenta possibilita avaliar o risco de lesão em pacientes

Ferramenta possibilita avaliar o risco de lesão em pacientes

08 de dezembro de 2016

Alunos de Enfermagem recebem instrução da mentora da escala de ELPO, doutora Camila Lopes

Alunos da disciplina Terapia Intensiva, do curso de Enfermagem da Universidade Veiga de Almeida (UVA), em Cabo Frio, tiveram a oportunidade de conhecer a escala de avaliação de risco de lesões decorrentes do posicionamento cirúrgico do paciente – ELPO -, desenvolvida pela doutora Camila de Moraes Lopes. Camila falou sobre a origem e aplicação da escala, que visa garantir a segurança do paciente, garantindo uma assistência de alta qualidade.

A escala, inédita, já está sendo empregada em centros cirúrgicos de hospitais de referência internacional, especialmente no estado de São Paulo. Camila começou a desenvolver a avaliação durante o mestrado, em 2013. A ferramenta leva em conta sete itens, entre eles, o tipo de posição cirúrgica, o tempo de cirurgia, o tipo de anestesia, posição dos membros, superfície de suporte, idade do paciente e a existência prévia de doenças. Para a profissional, uma decisão assertiva pode evitar lesões que podem resultar em sequelas irreversíveis.

Camila enfatiza a necessidade da tomada de decisão conjunta entre enfermeiro, cirurgião e anestesista para decidir a melhor posição para o paciente, garantindo seu conforto e segurança durante o procedimento. A enfermeira destaca que o Programa Nacional de Segurança do Paciente, de 2013, embasado na campanha mundial Cirurgia Segura, proposta pela Organização Mundial da Saúde (2008), preconiza uma assistência segura ao paciente, que não deve ser negligenciado em suas necessidades e particularidades.

Feliz com a repercussão e popularização da ferramenta, Camila estimula os colegas de profissão, inclusive ainda na graduação, a desenvolver práticas efetivas e protocolos eficazes que possam implementar a assistência aos pacientes. “Precisamos amparar nossa prática em estudos que deram certo”, enfatiza.

fotos da galeria