UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Dados comprovam o aumento da violência no Rio

Dados comprovam o aumento da violência no Rio

04 de outubro de 2017

Números de crimes cresceram na comparação do primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2016

Nos últimos anos a violência no estado do Rio de Janeiro teve um aumento significativo, levando moradores a terem medo de sair de suas casas para trabalhar ou até mesmo para passear. De acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP), houve aumento no número de todos os crimes no primeiro semestre deste ano quando comparado a igual período de 2016. Os casos de homicídios dolosos cresceram 10,2%, latrocínios (roubo seguido de morte), 21,2% e homicídios, 45,3%. Os dados divulgados pelas Áreas Integradas de Segurança Pública (AISP) mostram também o aumento da criminalidade no cotidiano, como por exemplo, no roubo de veículos, 40,2%, e de celular, que subiram de 8.686 para 11.030 ocorrências.

O caso que comoveu a Universidade Veiga de Almeida (UVA), foi o do assassinato de Renan Mitraud, 18 anos, aluno de Design, morto numa tentativa de assalto em Parada de Lucas, Zona Norte do Rio. O professor de Direito Penal, Marcelo Nogueira, explica que um dos motivos do aumento da violência no Rio de Janeiro é resultado do fracasso do projeto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). “A intenção era excelente, mas por questões políticas e eleitoreiras cresceu mais do que podia, e juntando com à falência do estado, devido também à corrupção, foi por água abaixo", destacou.

O professor também explica que a questão da segurança pública engloba várias áreas, como jurídicas, militares e penitenciária, e por isso é um problema conjuntural, e não só de falta de policiamento. "O que nós estamos vivendo é o reflexo de tudo que está acontecendo na sociedade. A violência não tem mais hora, nem local e toda a população está sendo prejudicada. Nós podemos melhorar esse quadro com a maior participação honesta da população, através de denúncias", completa Nogueira.


*Texto produzido por Ana Carolina Castelo Branco, do Laboratório de Comunicação Corporativa