UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Centro Acadêmico de RI promove debate sobre os movimentos estudantis

Centro Acadêmico de RI promove debate sobre os movimentos estudantis

25 de abril de 2018

A falta de engajamento dos jovens foi um dos temas abordados

O Centro Acadêmico Relações Internacionais, do curso de RI da Universidade Veiga de Almeida (UVA), produziu uma roda de conversa sobre “A importância do movimento estudantil para a democracia brasileira”. O bate-papo aconteceu na tarde do dia 24 de abril no piso preto do campus Tijuca. Entre os convidados para o debate, estava o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, além de representantes estudantis de algumas instituições de ensino superior da cidade do Rio de Janeiro.

Calero abriu a conversa alertando sobre a ausência de pessoas justas no meio político. “Vivemos tempos complicados e difíceis na democracia brasileira atual. É preciso que pessoas do bem, principalmente as mulheres, que são minoria entre os políticos, lutem para mudar esse quadro machista, misógino e homofóbico da política brasileira”, destacou. O ex-ministro disse aos jovens que é preciso buscar a conciliação com a política sem abrir mãos dos direitos e que esse é um exercício diário e necessário para o aprimoramento da democracia.

O representante da UVA no debate, o estudante Caio Albuquerque, de Relações Internacionais, disse que sente relutância dos jovens em fazer parte dos movimentos estudantis. “Existe um preconceito com a causa, mas é fundamental a participação de todos, pois só assim os alunos terão total entendimento do seu real papel dentro de uma universidade. Somos protagonistas da nossa formação e precisamos lutar unidos, não individualmente”, ressaltou. Segundo Albuquerque, a realização de debates é primordial para conscientizar os outros estudantes dos seus direitos.

Depois foi a vez de Juliana Paiva, representante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), falar sobre o assunto. “Precisamos nos perguntar se queremos só servir ao mercado de trabalho ou devemos dar um retorno à sociedade sobre os ensinamentos que aprendemos dentro das faculdades. O movimento estudantil requer a integração dos jovens das instituições públicas e privadas”, finalizou.


Texto produzido por Gabriel Brum, estagiário da Comunicação Institucional

fotos da galeria