UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Amarelo ainda significa atenção

Amarelo ainda significa atenção

08 de maio de 2017

A ação Maio Amarelo chama a atenção da população para a quantidade de mortos e feridos no trânsito

A ação Maio Amarelo foi criada com o intuito de mobilizar a população sobre o alto índice de acidentes com mortos e feridos no trânsito e também incentivar debates sobre riscos na direção. Durante todo o mês de maio, a ação promoverá panfletagens de conscientização em pontos estratégicos do Rio de Janeiro, onde colisões e conversões proibidas são frequentes.

Essas imprudências ao volante podem ser notadas em números. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 3 mil pessoas morrem em acidentes de trânsito, que são a principal causa de morte de jovens na faixa de 15 a 29 anos. No estado do Rio de Janeiro, 36.726 pessoas foram vítimas – entre feridos e mortos – nas estradas no ano passado, segundo dados do Detran e do Instituto de Segurança Pública (ISP). É estimado pela OMS que, se nada for feito, 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020.

Para que isso seja evitado, é necessária a conscientização da população. Alex Sandro Valentim da Silva, de 30 anos, vítima de um acidente de carro, acredita que deveria haver mais fiscalização: “Mesmo com todos os números e campanhas, as pessoas ainda não têm consciência e são irresponsáveis ao dirigir”. Já o vendedor Ricardo Ferreira da Silva, de 51 anos, também vítima de um acidente, ressalta a importância de ações como esta: “Essas ações são fundamentais, já que quanto mais se informa, mais se minimizam os riscos de acidentes”.

Segundo Vinícius Farah, presidente do Detran/RJ, ações como o Maio Amarelo são importantes para ajudar a reduzir o número de mortos e feridos. “Foram 42 mil pessoas acidentadas em 2015 e 38 mil pessoas em 2016. São vidas preciosas. Ações educativas e de fiscalização são extremamente necessárias e por isso o Detran está na rua, para explicar às pessoas sobre a necessidade de cuidar de si e do outro e não dirigir de forma violenta”. 


Texto produzido por Lizandra Rios, da Agência UVA, campus Barra